terça-feira, 19 de abril de 2011

O menino e o Livro

Com a boca cheia de terra
As mãos com sangue e pecado
Os dedos queimando com a pólvora
Pronto para morrer sozinho

Olho para a paisagem destruída
Me apoio nos joelhos e choro
Olho para igreja queimada
Deus me perdoe eram minhas ordens

Meu coração doía tanto
E meus braços doíam
Enquanto lancei as granadas
Na hora nem percebi

Me levanto tossindo sangue
Na terra já castigada
Por muito sangue já derramado

Engatilho novamente o rifle
O cartucho tilinta e cai seco no chão
Entro no solo sagrado devagar
Pra não pisar nos corpos dos que já descansam

E pensar que no exercito me deram
Uma bíblia e um maço de cigarros
Na igreja há mais alguém vivo alem de mim
Um menino sujo sentado

Lendo aquele livro que me deram
Para acompanhar o meu cigarro
Eu tiro meu capacete e embora não entenda o que o livro diz
Coloco meu rifle no chão e ouço o menino que continua a ler
Para mim o mais imundo dos pecadores

David Mendes

Nenhum comentário:

Postar um comentário